Iodo

De Enciclopédia Médica Moraes Amato
Revisão de 21h27min de 11 de setembro de 2011 por Aamato (discussão | contribs) (uma edição)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

[símbolo químico – I; número atômico – 53; peso atômico – 126,90447; grupo da tabela – 17; configuração eletrônica – [Kr].4d10.5s2.5p5; Classificação – não metal; Estado físico – sólido (T=298K)].
Não metal sólido, cristalino, de coloração violeta escuro. Quando apresenta brilho, ele volatiza, em Temperatura Ambiente (T=298K), em um gás violeta-azulado com odor irritante.
Ele foi descoberto em 1811 por Bernard Coutois, observando o desprendimento dos vapores violeta-escuro resultante da reação entre as cinzas de algas marinhas com Ácido sulfúrico - H2SO4. Os vapores condensados em superfície fria produziram cristais escuros com brilho metálico. Em 1813, Gay Lussac estabeleceu que o Iodo era um elemento e o comparou com o cloro - Cl. Em 1825, Berzelius usou a denominação de halogênio para os elementos Flúor (F), cloro (Cl) e Iodo (I). O Bromo (Br) não Tinha sido descoberto nesta data, sendo incluído em 1826.
O Iodo ocorre na natureza sob a Forma de iodetos na Água do mar, algas marinhas, em salmouras associadas à alguns poços de petróleo, nos depósitos chilenos de nitrato de Sódio - NaNO3, sob a Forma de iodato de Sódio - NaIO3 e periodato de Sódio -NaIO4. Nos Estados Unidos a produção de Iodo provém da Califórnia; é produzido também na Indonésia, Itália e Japão.
Ocorrência no Brasil - ainda não são conhecidas fontes de Iodo no Brasil. No litoral, as plantas marinhas produtoras de Iodo são muito escassas. Existem possibilidades de serem encontradas águas salgadas iodadas em zonas petrolíferas e nas bacias salinas da Amazônia, Alagoas e Sergipe.
Usos e aplicações - suprimento no sal (NaCl) para uso doméstico; em filmes fotográficos de alta velocidade como iodeto de Prata - AgI; alguns Compostos são usados em Medicamentos; por exemplo Solução de iodeto de Potássio (KI) em álcool, para ferimentos; suprimento na alimentação do gado, pela mistura de iodeto de Potássio (KI), iodeto de Sódio (NaI) e iodato de Sódio - (NaIO3); pigmentos de coloração violeta-vermelho; Iodo radioativo (iodo - 131), é usado em biologia, medicina e na indústria; fabricação de reagentes orgânicos.
(ref. Decreto n. 3.048 de 06/05/1999 – Agente causador de doenças do Trabalho) Conjuntivite (H10); Faringite Aguda (Angina Aguda, Dor de Garganta) (J02.9); Laringotraqueíte aguda (J04.2); Sinusite Crônica (J32.-); Bronquite e Pneumonite devida a produtos químicos, gases, fumaças e vapores (Bronquite Química Aguda); Edema Pulmonar Agudo devido a produtos químicos, gases, fumaças e vapores (Edema Pulmonar Químico) (J68.1); Síndrome de Disfunção Reativa das Vias Aéreas (SDVA/RADS) (J68.3); Bronquiolite Obliterante Crônica, Enfisema Crônico Difuso ou Fibrose Pulmonar Crônica (J68.4); Dermatite Alérgica de Contato (L23.-); Efeitos Tóxicos Agudos (T57.8)
(ref. trabalhos que contém Risco) Fabricação e emprego do Iodo.
(ref. CID10) Bócio (endêmico) difuso por Deficiência de iodo, (E01.0)
Bócio (endêmico) multinodular por Deficiência de iodo, (E01.1)
Bócio (endêmico) não especificado, por Deficiência de iodo, (E01.2)
Bócio nodular por Deficiência de iodo, (E01.1)
Hipotireoidismo subclínico por Deficiência de iodo, (E02)
Síndrome da Deficiência congênita de Iodo do Tipo misto, (E00.2)
Síndrome da Deficiência congênita de Iodo do Tipo mixedematoso, (E00.1)
Síndrome da Deficiência congênita de Iodo do Tipo neurológico, (E00.0)
Síndrome de Deficiência congênita de iodo, (E00)
Síndrome não especificada da Deficiência congênita do iodo, (E00.9)
Transtornos tireoidianos e afecções associadas, relacionados à Deficiência de iodo, (E01).